value1

O seu site está pronto para o tráfego de férias?

A temporada festiva de compras de 2017 promete ser uma das maiores, especialmente para os varejistas online. Prevê-se que as vendas totais cresçam 16,6 por cento em relação ao ano passado, com vendas on-line compreendendo 11,5% de todas as compras de férias.

O período anterior, durante e depois da temporada de férias é uma grande oportunidade de vendas para você. Mas se o seu site de comércio eletrônico não está pronto para o fluxo de tráfego, pode ser uma oportunidade perdida. Tempo de carregamento lento, links quebrados e uma experiência de usuário fraca são inaceitáveis ​​para os compradores que esperam encontrar maior conveniência e seleção acessando.

Os sites que não conseguem lidar com o aumento do tráfego imediatamente perdem nas vendas. Pior, prejudicam a reputação da marca e decepcionam os clientes que, de outra forma, se tornariam fãs leais. Otimizar o seu site para acomodar mais tráfego é um objetivo sólido para curto e longo prazo, e há algumas ótimas estratégias a ter em mente para obter seu site pronto.

1. Acelere os tempos de carga do site

A pesquisa revela que os usuários da Web de hoje esperam que um site seja carregado em dois segundos, e eles vão abandonar um site depois de esperar apenas três segundos. Daqueles que acham atrasos de carga, 79 por cento evitarão retornar ao site e 44 por cento alertarão um amigo.

Os sites de comércio eletrônico devem ser carregados rapidamente, mas também devem direcionar o tráfego – especialmente o tráfego móvel – para a informação que os usuários estão procurando o mais eficientemente possível. Ferramentas como o GoogleSpeed ​​Insights ou o GTmetrix testam a velocidade de um site, oferecem uma pontuação empírica e fornecem dicas para acelerar os tempos de carregamento do seu site, por isso é uma boa idéia confiar nessas avaliações objetivas, em vez de assumir que seu site é rápido o suficiente.

2. Proteja seu site do tempo de inatividade

Os sites que são executados em um servidor compartilhado são notoriamente vulneráveis ​​a problemas de contenção e segurança, e isso é extremamente importante, especialmente durante esta estação ocupada. Quando todos os sites estão sobrecarregados, os sites que estão tocando no mesmo grupo de recursos drenam rapidamente esse conjunto seco. Além disso, mesmo se seu site estiver fazendo tudo certo, ele ainda pode ser comprometido por problemas que afetem outro site no servidor.

Pagar um pouco mais para um servidor dedicado é um investimento de som se você souber quanto tráfego extra seu site deve lidar. Se suas necessidades são mais fluidas, o cloud hosting é uma solução inteligente. Como esta opção significa que você pode personalizar os recursos disponíveis de acordo com suas necessidades, o desempenho do seu site permanece no seu auge, pois a escalabilidade é quase ilimitada. Em vez de lidar com o tempo de inatividade, seu site pode acomodar facilmente os pontos no trânsito.

Uma rede de entrega de conteúdo (CDN) é uma ferramenta altamente benéfica para incluir em sua estratégia de gerenciamento de tráfego de pico. Ao investir em um serviço CDN , seu site pode se beneficiar de aumentos maciços de velocidade, escalabilidade, resiliência e segurança, além de grandes economias de custo de banda e carga reduzida em seu servidor web.

3. Criar confiança através da segurança

Com tantas opções concorrentes disponíveis on-line, os consumidores procurarão uma alternativa se acharem que não é seguro comprar em um site específico. Com todas as brechas de dados de alto perfil nas notícias recentemente, a ruptura de preço oferecida por qualquer revendedor é compensada pelas preocupações de segurança levantadas pelo site do varejista.

Alternar seu site para HTTPS é uma solução relativamente fácil e de baixo custo. Ao contrário dos sites HTTP tradicionais, as informações encaminhadas através do HTTPS são criptografadas. Passar para uma plataforma mais protegida tranquiliza os clientes, encoraja mais conversões e ajuda a evitar as consequências catastróficas de uma violação de dados durante a temporada de férias. Além disso, ter um HTTPS garante que seu site seja classificado mais alto do que apenas sites HTTP no Google e em outros mecanismos de pesquisa.

Justificar as atualizações do site é uma equação relativamente fácil. Basta calcular o custo de qualquer novo hardware, software ou serviços que você planeja colocar no lugar. Em seguida, compare isso com o custo de 1.000, 100 ou mesmo apenas 10 vendas perdidas. Torna-se rapidamente claro que acomodar o tráfego sazonal faz sentido financeiro. Comece a colocar as estratégias em ação antes que o tráfego atinja ainda mais e torne-se um problema.

value1

4 dicas para divulgar sua marca com pouco ou nenhum dinheiro

“Especialista afirma que não é porque seu concorrente utiliza uma rede social ou um determinado veículo de comunicação que você deve usar também”

As maneiras de baixo custo para divulgar sua marca
Escrito por Silvio Koiti Sato, especialista em marketing

A comunicação de marca é fundamental para o desenvolvimento de um negócio, não importa o seu tamanho. Atualmente, marcas são mais que um logotipo ou uma identidade visual que remete a um produto, serviço ou organização. Marcas representam visões de mundo, valores e significados que precisam ser gerenciados pelas empresas como ativos intangíveis que diferenciam, atraem e trazem valor adicional.

É preciso reconhecer que a comunicação se torna cada vez mais complexa em função do bombardeio de mensagens a que todos estamos submetidos durante todo o dia. Tendo um smartphone com acesso à Internet, existem tecnologias que permitem criar, editar e divulgar conteúdos com fotos, vídeos e textos instantaneamente.

Isto trouxe possibilidades amplas de comunicação que se abriram para todos, beneficiando indivíduos e também as pequenas e médias empresas, que não dispõem dos orçamentos de comunicação de grandes empresas.

Entretanto, é preciso entender que tecnologias são ferramentas que devem ser escolhidas e utilizadas a partir de uma estratégia de comunicação adequada para a marca. O planejamento desta estratégia deve obedecer alguns passos:

1. Saiba com quem você quer falar
Antes de escolher ferramentas e ações de comunicação, é preciso saber quem é seu público, como ele se comporta e o que espera da sua marca. Procure ações focadas no seu alvo e evite dispersão do investimento.

Por exemplo: uma marca que atua e atende a um público de um determinado bairro pode utilizar ações que privilegiem a variável geográfica. Fechar parcerias com estabelecimentos, veículos e entidades da região e reforçando os laços com a comunidade local.

Em muitas ocasiões, o básico e o que parece mais simples podem funcionar melhor ou serem mais adequados ao que a marca precisa num determinado momento.

2. Seja original e fiel à sua identidade
Saiba quem você é para se diferenciar e comunicar sua mensagem de forma relevante e original. Não tente copiar outras empresas e ser o que não é, inclusive em suas estratégias de divulgação. Não é porque seu concorrente utiliza uma rede social ou um determinado veículo de comunicação que você deve usar também.

Não siga receitas de bolo em comunicação, use o mix de ferramentas disponíveis de acordo com os objetivos e estágio de desenvolvimento de sua marca.

E saiba que tudo comunica: uma embalagem, um contato telefônico ou atendimento pessoal podem falar mais sobre sua marca do que uma campanha publicitária inteira.

3. Use o digital a seu favor
Há quem diga que o que não está na Internet não existe. Como vimos, o digital representa uma revolução que beneficia as pequenas e médias empresas em sua comunicação. É possível utilizar este ambiente para fins diversos, como atendimento, vendas e divulgação da sua marca.

Insira o digital tanto para pensar em estratégias de mídias pagas como banners e links patrocinados, passando pela criação de perfis em redes sociais como Facebook, YouTube, Twitter, LinkedIn e Instagram.

É possível também entender melhor seu consumidor a partir do que ele está falando sobre a marca de forma espontânea e orgânica. Lembre que a comunicação hoje é feita não só pela marca, mas pelas opiniões de anônimos e do boca a boca digital, de forma colaborativa. Comunicação não é só falar, mas, sobretudo escutar e agir.

4. Integre e seja consistente
Por último, a cada ação planejada, pense em como ela se integra ao que já vem sendo construído a partir dos esforços de comunicação anteriores. As mensagens, ações e formatos evoluem, mas devem ter coerência para não confundir e manter a atratividade.

Lembre-se de que mais do que uma visão quantitativa e imediatista, baseada num grande volume de ações, likes e pessoas impactadas, é preciso ter uma visão qualitativa e de longo prazo, baseada na história que a marca quer contar e no relacionamento que está sendo construído com seu público de interesse.

Um ponto de atenção é para a continuidade das ações, principalmente nas redes sociais. É melhor ter poucos canais da marca, mas que sejam sempre atualizados e monitorados, do que ter vários desatualizados e nos quais os consumidores não recebem respostas às suas solicitações.

Silvio Koiti Sato é professor do curso de Publicidade e Propaganda da Fundação Alvares Penteado (FAAP).

 

Fonte Original: http://exame.abril.com.br/pme/4-dicas-para-divulgar-sua-marca-com-pouco-ou-nenhum-dinheiro/